Resiestrela, vai reduzir a tarifa em mais de dois euros/tonelada em 2010.

Fundão, 25 de Maio de 2010 – A Resiestrela S.A, a empresa responsável pela gestão do Sistema Multimunicipal de Triagem, Recolha Selectiva, Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos da Cova da Beira, viu aprovada pelo Ministério do Ambiente a nova tarifa a praticar em 2010 aos Municípios utilizadores do Sistema pelo tratamento dos seus resíduos sólidos urbanos (RSU), a qual sofreu uma redução de € 2,22 / ton (cerca de 4,6%), passando assim de €50,72 / ton para € 48,50 / ton.

Ésta redução, consideravelmente superior à que a própria Resiestrela S.A. tinha proposto, transfere desde já para os utilizadores os resultados do esforço de diminuição de custos conduzido pela empresa, contribuindo substantivamente para a diminuição dos encargos dos Municípios.

Assim, o novo valor da tarifa a praticar vem consubstanciar uma poupança significativa nos encargos suportados em 2010, face ao ano transacto, pelos Municípios de Almeida, Belmonte, Celorico da Beira, Covilhã, Figueira de Castelo Rodrigo, Fornos de Algodres, Fundão, Guarda, Manteigas, Penamacor, Pinhel, Sabugal e Trancoso, no que respeita à valorização e tratamento dos RSU, poupança que se estima em cerca de € 160 000.

Desde o seu início de actividade em 2009, a Resiestrela S.A, tem vindo a desenvolver um conjunto de iniciativas operacionais com vista a alterar o paradigma de gestão de Resíduos Sólidos Urbanos que vinha sendo prosseguido, de forma a adaptá-lo aos mais modernos conceitos relativos à sua gestão e valorização. Simultaneamente, foi prosseguido um esforço com vista a aumentar a eficiência da sua actividade e concretizar algumas melhorias do seu desempenho e do nível de serviço às populações e às actividades económicas, procurando novas soluções para a gestão e valorização dos resíduos e para a consolidação da sua situação económica e financeira. Para a melhoria da sua operação, tem sido ainda importante o contributo activo de uma parte significativa dos Municípios utilizadores do Sistema, nomeadamente através da melhoria dos prazos dos pagamentos efectuados à empresa pelos serviços prestados.

A nova tarifa para 2010, com um valor significativamente mais baixo do que aquele praticado anteriormente, configura ainda uma prova de confiança do Ministério do Ambiente e do Ordenamento do Território, na sua qualidade de concedente, na capacidade de gestão da empresa e do Grupo Empresarial onde se inscreve – Grupo EGF – bem como no reforço dos laços institucionais e de confiança com os Municípios do Sistema, na sua qualidade de utilizadores e accionistas.