Resiestrela regista em 2011 um aumento do volume de negócios

A Resiestrela, S.A. regista em 2011 um aumento do volume de negócios e um resultado líquido positivo de 705.121 €

15 de Março de 2012 – A Resiestrela S.A, a empresa responsável pela gestão do Sistema Multimunicipal de Triagem, Recolha Selectiva, Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos Urbanos da Cova da Beira, apresentou hoje na Assembleia Geral de Accionistas o seu Relatório de Gestão e Contas do Exercício de 2011, o qual registou um aumento do volume de negócios para cerca de 4,9 M€ e resultado líquido positivo de 705.121€.

“No exercício de 2011 atingiu-se um volume de negócios de 4,9 M€ e um resultado líquido positivo de € 705 000, resultados que nos deixam bastante satisfeitos”, afirmou Rui Nobre Gonçalves, Presidente do Conselho de Administração da Empresa, na sua mensagem aos accionistas, realçando seguidamente que “Estes resultados ocorreram simultaneamente com uma melhoria dos serviços prestados à população da Cova da Beira e da Beira Interior Norte no que respeita à gestão de todos os fluxos de RSU e por outro, a consolidação do trajecto de contenção tarifária, objetivos que norteiam a atuação da Administração e do conjunto dos colaboradores da empresa. É ainda muito importante assinalar que para o ano em curso, a Resiestrela vai praticar uma tarifa inferior à do ano transacto, passando assim de € 48,50 / ton para € 47,02 / ton, ou seja, com uma redução de 3,1%

Em 2011 foram concretizadas algumas das principais intervenções que o Conselho de Administração (CA) da empresa tem vindo a propor com vista a transformar os modelos técnico e financeiro da Concessão,

“Os investimentos na ampliação e requalificação da Central de Compostagem e no Sistema de Aproveitamento Energético do Biogás Produzido no Aterro Sanitário, que totalizaram mais de 4,4 M€, possibilitam o alinhamento da Resiestrela com os mais recentes princípios de boa gestão dos RSU em termos dos processos tecnológicos de que dispõe para o seu tratamento e valorização e contribuíram para o aumento da sustentabilidade económico-financeira e social

do Sistema Multimunicipal bem como para o seu desempenho ambiental. Adicionalmente, contribuíram muito positivamente para a alteração da estrutura de proveitos, objetivo que foi determinado pela Administração da empresa, sendo que em 2011 as vendas passaram a contribuir numa proporção de 28% dos rendimentos operacionais, descolando definitivamente dos valores alcançados nos anos anteriores, que não ultrapassavam os 15%. Realce-se que este incremento de actividade foi concretizado num contexto de contenção dos gastos operacionais, o que demonstra o esforço efetuado ao nível do aumento de eficiência da utilização dos recursos disponíveis” salientou ainda Rui Nobre Gonçalves.

Foi ainda conduzida uma forte aposta no desenvolvimento da rede de ecopontos, tendo sido aumentado em 14% o seu número à disposição dos cidadãos e sido atingida uma capitação de 224 habitantes/ecoponto, que constitui um valor de referência a nível nacional. A actividade de recolha porta-a-porta de materiais recicláveis foi também consideravelmente reforçada em termos de meios, cobertura geográfica e fluxos recolhidos, nomeadamente com o início da recolha do “vidro”.

No que respeita ao encaminhamento de materiais recicláveis, registou-se em 2011 um aumento de cerca de 17 % relativamente às verificadas em 2010, realidade que assenta no esforço encetado pela empresa no reforço dos meios de recolha seletiva, nomeadamente na rede de ecopontos e recolha porta-a-porta, na eficácia do trabalho prosseguido de sensibilização ambiental, bem como no resultado da operação da nova unidade de tratamento mecânico e biológico.